Câmara aprova fim do toque de recolher em Alta Floresta

por Lindomar Leal publicado 31/08/2020 19h25, última modificação 31/08/2020 19h25
Medidas propostas pelos vereadores liberam atividades esportivas, música ao vivo e desobrigam pessoas da mesma família, que vivam sob o mesmo teto, de se submeterem a distância mínima de 1 metro e 50 centímetros em ambientes públicos e privados
Câmara aprova fim do toque de recolher em Alta Floresta

Foto por: Lindomar Leal/Assessoria de Imprensa

A Câmara Municipal aprovou na tarde de sexta-feira (28), em sessão extraordinária, o fim do toque de recolher que havia sido estabelecido pela Lei Municipal 2.579/2020. O Projeto de Lei nº 2.063/2020, enviado pelo Poder Executivo, tramitou em regime de urgência especial após aprovação de requerimento que alterou o regime de tramitação. A matéria foi aprovada por unanimidade.

Pela nova lei, a circulação de pessoas do grupo de risco só é permitida em caso de atividades essenciais ou por recomendação médica. Também estão liberados os jogos e treinamentos de futebol profissional sem a presença de público externo.

Apesar da retirada do toque de recolher, a nova lei recomenda que restaurantes, lanchonetes, padarias e similares fomentem as entregas por delivery.

A lei mantem a proibição do contato físico em academias de musculação/aeróbicos e de lutas.

No caso de missas, cultos e celebrações religiosas não há proibição, apenas a recomendação para que sejam realizadas preferencialmente de maneira virtual, todavia, caso sejam realizadas presencialmente devem observar o toque de recolher (caso seja estabelecido).

Para acabar com o toque de recolher, a nova lei leva em consideração a constante oscilação do cenário municipal e define que futuras alterações das medidas não farmacológicas, para o enfrentamento da Covid-19, poderão ser estabelecidas por decreto municipal.

As sansões e procedimentos contidos no Decreto Municipal 055/2020 ficam mantidas. As multas, por exemplo, seguirão os trâmites das autuações e procedimentos sanitários, sendo observados prazos, recursos, entre outros critérios.

O Executivo expressa na lei que as medidas não farmacológicas para o enfrentamento da pandemia podem vir a tornar-se mais restritivas caso ocorra aumento de casos de Covid-19, principalmente se houver dificuldades de controle da pandemia. A lei evidencia a prioridade de manutenção da saúde pública e de garantia do direito à vida.

 

Vereadores apresentam emenda e subemendas à Lei 2.579/2020

 

Considerando a nova fase de flexibilização das medidas de combate ao coronavírus no município apresentadas pelo Poder Executivo, os vereadores também apresentaram proposta modificativas e aditivas à lei vigente.

A Emenda nº 007/2020 desobrigou as pessoas do mesmo convívio familiar (cônjuge, companheiro, companheira, pais, filhos, irmãos, enfim), que vivam sob o mesmo teto, de se submeterem a distância mínima de 1 metro e 50 centímetros em estabelecimentos privados ou públicos.

Outra mudança, além da permissão da atividade desportiva prevista na proposta do Executivo, foi acrescentar a liberação da retomada da prática de futebol amador, recreativo e de lazer no município, desde que não haja presença de público externo.

A revogação do Inciso VIII do art. 3º da Lei 2.579/2020, que vedava atividades em ginásio de esporte e campo de futebol, possibilitará ao município receber jogos de nível profissional, a exemplo das competições de salonismo.

A emenda também permite a realização de apresentações de música ao vivo em bares e restaurantes, mas não dispensa esses estabelecimentos de cumprirem com as medidas sanitárias para evitar a transmissão do novo Coronavírus.

A emenda foi assinada pelos vereadores Emerson Machado, Charles Miranda Medeiros, Cida Sicuto, Demilson Nunes Siqueira, José Aparecido dos Santos, Luiz Carlos de Queiroz, Marcos Menin, Valdecir José dos Santos e Reinaldo de Souza,

A subemenda nº 001/2020, assinada pelos vereadores Marcos Menin, Emerson Machado, Charles Miranda Medeiros, Cida Sicuto, José Aparecido dos Santos, Luiz Carlos de Queiroz, Valdecir José dos Santos e Reinaldo de Souza, permite jogos de bilhar e bocha.

Já a subemenda nº 002/2020, assinada pela vereadora Cida Sicuto e pelos vereadores Oslen Dias dos Santos e Demilson Nunes Siqueira, liberou atividades de treino e provas de laço no município.

A lei segue para sansão do prefeito Asiel Bezerra de Araújo, que terá prazo de 15 dias para se manifestar.

LINDOMAR LEAL
Assessoria de Imprensa
Câmara Municipal de Alta Floresta, sempre ao seu lado!